"LE DROIT HUMAIN" NO BRASIL

Início das atividades

 

 
 

O movimento maçônico misto "Le Droit Humain" no Brasil teve início a partir de 1918, quando maçons de Obediências masculinas, e mesmo alguns profanos, buscavam condições para a implantação de uma Loja de "Le Droit Humain" em território brasileiro. Foi então fundada uma Loja no Rio de Janeiro, sob a denominação de ANITA GARIBALDI, que não progrediu.

Após a tentativa frustrada, em princípios de 1919, o Muito Ilustre e Poderoso Irmão Luiz Pascal 33º, Grande Inspetor Geral, e sua mulher, a Ilustre Irmã Madame Pascal, ambos pertencentes à "Le D.H." na Argentina, visitaram o Brasil e, no Rio de Janeiro, entraram em contato com outro Ilustre membro de "Le D.H.", o Irmão Joaquim Velasco, viajante espanhol que aqui se encontrava fazendo um estágio profissional. Esses Ilustres Irmãos iniciaram entendimentos com o Irmão Giovanni Leoni, maçom do Grande Oriente do Brasil, que, por sua vez, reuniu os simpatizantes Aleixo Alves de Souza, Maria Soledade Lopes, Décio Richard, além de outros cujos registros infelizmente se perderam. Tomadas as necessárias providências de caráter maçônico, com a filiação de alguns e a Iniciação e Elevação de graus de outros, o grupo, sob a autoridade do Muito Ilustre e Poderoso Irmão Pascal 33º, promoveu, em 6 de junho desse mesmo ano, a formação da primeira Loja simbólica mista "Le Droit Humain" no Rio de Janeiro, à época Capital Federal, com a denominação de Loja ÍSIS, que tomou o número 651 no rol do nosso Supremo Conselho, tornando-se assim Loja Mãe do trabalho da Maçonaria Mista no Brasil.

No ano seguinte, em janeiro de 1920, ingressou na Loja o Muito Ilustre Irmão Lourenço de Matos Borges 33º. A época era de imensa dificuldade para esse tipo de empreendimento e, no ano seguinte, a Loja Ísis se viu na contingência de interromper os seus trabalhos, prolongando a sua inatividade até 1923, quando, graças aos esforços do Irmão Aleixo Alves de Souza, voltou a se reunir.

 

DESENVOLVIMENTO 

 

Entre os anos de 1923 e 1927, várias Lojas foram fundadas nos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Com a retomada em 1923 dos trabalhos da Loja Ísis nº 651 "Le D.H." (que lavrou seu Balaústre de nº 1542 em dezembro de 2007), novo alento se fez presente entre os maçons de "Le D.H.", e o entusiasmo levou o Irmão Aleixo a tomar medidas no sentido de levar o trabalho a outros Estados. Reuniu então, nas cidades de São Paulo e Santos, um bom número de interessados. Viajou àquelas cidades e, em 04 de janeiro de 1924, presidiu a sessão de fundação da Loja Horus nº 652 "Le D.H.", em São Paulo (que lavrou seu Balaústre de nº 969 em dezembro de 2007), na qual participaram, na qualidade de fundadores, a Irmã Carmine Debruzzi e os Irmãos Henrique de Macedo, Leopoldo dos Santos e Joaquim Soares de Oliveira, que haviam sido filiados, e mais as Irmãs Amélia Perestrello da Câmara, Clara A. Pereira, Rosina Nogueira Soares, Virgínia S. Montelobo, Maria Júlia de Oliveira Algodoal, e os Irmãos Antonio Pereira Franco, Virgilio Goulart Penteado, Affonso de Oliveira Santos, José Lombardo, Ernesto Kreeberg, José Siqueira, Benedicto Ribeiro, Joaquim Ancillon de Alencar Barros, Henrique Serra, Pedro Albues Rodrigues Xavier, Francisco de Alcântara Quartier, Carlos Bruhns, Joaquim Gervásio de Figueiredo, Armando de Barros Taveira e Moacyr Bruhns, todos iniciados pelo Irmão Aleixo, aos quais também comunicou os graus de Companheiro e Mestre. Dois dias após, ainda sob o seu comando, seguiu uma caravana à cidade de Santos-SP, onde foi fundada outra Loja, que tomou a denominação de Loja Osíris nº 653 "Le D.H." (que lavrou seu Balaústre de nº 786 em dezembro de 2007). Hoje, esta Loja funciona na cidade de São Paulo.

Com o progresso alcançado, em 1924 o Irmão Aleixo Alves de Souza foi nomeado Delegado do Supremo Conselho para a Jurisdição Brasileira, cargo que ocupou até 1925, época que, tendo se filiado à ordem o Muito Ilustre Irmão Paulino Diamico 33º, o Irmão Aleixo propôs que lhe fosse transferido o cargo de Delegado do Supremo Conselho, em vista de sua mais alta graduação maçônica à época. O Irmão Diamico exerceu essas funções desde 1925 até 1929.

 

FUNDAÇÃO DO CAPÍTULO ROSA CRUZ AMIZADE Nº 82

 

Ainda no ano de 1928, no Rio de Janeiro, as Irmãs e Irmãos Paulino Diamico, Aleixo Alves de Souza, Lourenço de Mattos Borges, Augusto de Paula Bahia, Maria Adelaide Soledade Lopes, Zaqueu Penha Garcia, Alberto Miller Barbosa, Luiz Adelino de Mendonça Peixoto, Pedro Álvares Coutinho e Delorges d’Ávila Kauffmann, promoveram a formação da primeira Oficina do grau 18º de "Le D.H." no Brasil. Assim, no dia 21 de abril de 1928, foi fundado o Soberano Capítulo Rosa Cruz Amizade nº 82, no Vale do Rio de Janeiro (que lavrou seu Balaústre de nº 404, em dezembro de 2007). A 21 de outubro desse mesmo ano, chegava ao Rio de Janeiro, em visita, o Muito Respeitável Irmão C. Jinarajadasa 30º, que, devidamente autorizado pelo Supremo Conselho "Le D.H.", procedeu a consagração solene do referido Capítulo.

 

 

FUNDAÇÃO DA FEDERAÇÃO BRASILEIRA "LE DROIT HUMAIN"

 

No ano seguinte, em 1929, as Lojas da Jurisdição Brasileira fundaram a Federação Brasileira "Le Droit Humain", tendo como Presidente o Muito Ilustre e Poderoso Irmão Paulino Diamico 33º, Representante do Supremo Conselho; como Grande Secretária a Muito Ilustre Irmã Maria Adelaide Soledade Lopes 33º e como Grande Secretário Adjunto o Respeitável Irmão Lourenço de Matos Borges, 26º. Em 1935, com o fechamento da Maçonaria no Brasil, a Federação abateu suas colunas, permanecendo apenas as atividades de duas Lojas no Rio de Janeiro, agrupadas sob a forma de Jurisdição, tendo o Supremo Conselho nomeado um Delegado para dirigir os trabalhos.

 

 

II GUERRA MUNDIAL

 

Em virtude da ocupação da França pelos alemães, o Supremo Conselho, cuja sede era em Paris, abateu suas colunas, sendo que o trabalho da Maçonaria Mista em todo o mundo foi restabelecido pela constituição de três Supremos Conselhos, com sedes respectivamente em Londres (Inglaterra), Lakespur (Estados Unidos) e Adyar (Índia). Nessa ocasião o Irmão Aleixo foi novamente escolhido para Delegado da Ordem no Brasil, pelo Supremo Conselho estabelecido nos Estados Unidos.

 

 

FIM DA GUERRA

 

Com a fim da Guerra, os três Supremos Conselhos que haviam dirigido os trabalhos durante esse período crítico, decidiram encerrar suas atividades para a reconstituição do Supremo Conselho Único de Paris, a quem, como anteriormente, caberia a direção geral da Ordem Maçônica Mista Internacional no mundo inteiro. Dois anos depois, foi realizada em Paris uma grande Convenção da Ordem, que alterou a sua Constituição, passando a Ordem a ser regida pela Constituição de 1947.

 

 

RESTABELECIMENTO DA FEDERAÇÃO BRASILEIRA

 

A Federação Brasileira ficou fechada de 1935 até 1963, quando foi restabelecida em Convenção Nacional realizada em agosto desse ano, sendo solenemente reinaugurada por ocasião da visita ao Brasil do Muito Ilustre e Poderoso Irmão Charles Cambillard 33º, Sereníssimo Grão Mestre da Ordem Maçônica Mista Internacional "Le Droit Humain". O Muito Ilustre Irmão Aleixo Alves de Souza 33°, foi então nomeado Muito Poderoso Grande Comendador e Representante do Supremo Conselho junto ao Brasil. Nessa ocasião a sede da Federação Brasileira era na Estação Senador Câmara, no subúrbio do Rio de Janeiro. Desse endereço, mudou-se para a Rua Imperatriz Leopoldina, n° 8 / 16° andar, na Praça Tiradentes, no Centro do Rio de Janeiro e posteriormente para a rua de Santana, n° 123, sobrado, Centro, Rio de Janeiro.

Com a passagem para a Grande Loja Eterna do Muito Ilustre Irmão Aleixo Alves de Souza 33°, Representante do Supremo Conselho no Brasil, em agosto de 1968 foi eleito o Irmão João Conrado de Castro Ponte, para o seu lugar, cargo que ocupou até junho de 2002.