Laicidade

14/05/2013 16:42

 Laicidade defende a ausência de qualquer obrigação de caráter religioso nas instituições governamentais. É uma posição que visa a não intervenção da religião no Estado.

A qualidade de ser laico pressupõe a não interferência da igreja em assuntos políticos e culturais. Quando se fala em Estado laico, existe a ideia de neutralidade sobre questões religiosas. Deve haver liberdade para os cidadãos manifestarem a sua fé religiosa, qualquer que ela seja sem haver controle ou imposição de uma religião específica.

Estado laico significa um país ou nação com uma posição neutra no campo religioso. Também conhecido como Estado Secular,(Secularisme em France), o Estado laico tem como princípio a imparcialidade em assuntos religiosos, não apoiando ou discriminando nenhuma religião.   Defende a liberdade religiosa a todos os seus cidadãos e não permite a interferência de correntes religiosas em matérias sociopolíticas e culturais.

O Brasil é oficialmente um Estado laico, pois a Constituição Brasileira e outras legislações preveem a liberdade de crença religiosa aos cidadãos, além de proteção e respeito às manifestações religiosas.

No artigo 5º da Constituição Brasileira (1988) está escrito:

“VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;”

 

Atualmente estão sendo retiradas dos locais públicos as referencias religiosas para que se faça  exercer essa laicidade.

Laicidade em nossa Ordem se refere ao respeito por todas as religiões, sem oferecer privilégios a qualquer uma, por considerar que tal atitude seria de discriminação às demais. Seus Membros, no entanto, podem pertencer a qualquer uma delas, ou a nenhuma, com a liberdade de expressão ampla nas apresentações de Trabalhos e debates, podendo fazer analogias com seus princípios filosóficos. A proibição está no sentido de que os conceitos e crenças expostos não podem ser impostos aos Irmãos.